terça-feira, dezembro 17, 2013

Grandes nomes do Rock Pesado que gravaram Reggae.

"Liberte-se da escravidão mental", quando o Rock homenageou o Reggae.

Surgido como um gênero derivado do Ska em final dos anos 1960 na Jamaica, o estilo musical do Reggae foi muito popularizado por bandas como THE WAILERS, que revelou ao mundo os talentos de Bob Marley e Peter Tosh. No começo da década de 1970, o Reggae ganhou exposição mundial, principalmente na Inglaterra. Na terra da rainha, o filme "The Harder They Come", de 1972, que trazia o cantor Jimmy Cliff como ator e trilha sonora de reggae, foi um tremendo sucesso, assim como o documentário para tevê "Roots Rock Reggae", 1977, creditado ao inglês Jeremy Marre. É complicado, e nos perguntamos se necessário, tentar explicar o fenômeno, mas desde a primeira tour de Bob Marley pelo Reino Unido, em 1972, que alguns artistas de rock, em sua totalidade europeus ou ex-colônias desses, chegaram a gravar covers de Reggae, ou compuseram músicas nesse estilo, notadamente, entre os anos 70 e 80; destoando do restante de sua carreira. Muitas destas gravações deram mais peso à música, a gravando somente com baixo, guitarra e bateria, sem os teclados, background vocals femininos ou metais tão comuns ao som genuinamente jamaicano. Apresentamos abaixo uma lista, cronológica, de bandas de rock que gravaram Reggae.



Lembramos, contudo, a impossibilidade de se conhecer "todas as músicas do mundo", o que torna essa listagem não exaustiva e também que ficaram de fora bandas de rock que tocam constantemente reggae. Have a nice trip!

01 . LED ZEPPELIN (1973) "D'yer Mak'er".



Um nome estranho, que vem da contração da expressão "Did You Make Her" para soar como "Jamaica" e inusitadamente composta pelos quatros membros da banda foi a primeira homenagem do Rock ao Reggae. Lançada originalmente no disco "Houses Of The Holy" e posteriormente em compacto com "The Crunge" no lado B, D'yer Mak'er, não obstante o quarteto não ser "rock ortodoxo", não foi levada à sério por alguns fãs e o baixista John Paul Jones expressou numa entrevista de 2004 que ele não gosta dessa música. Ainda assim D'yer Mak'er entrou em todos os "Best Off" e "Coletâneas" do Zepellin de Chumbo, demonstrando a aprovação do público por ela.

02 . ERIC CLAPTON (1974) "I Shoot the Sheriff".



Lançada um ano depois da versão original de Bob Marley, o ex-guitarrista do CREAM conseguiu chegar à primeira posição do Billboard Top 100 com essa canção. Inusitadamente, o cover é considerado mais famoso que o original, o que gerou muita exposição do Reggae para plateias fora da Jamaica.

03 . THE ROLLING STONES (1976) "Cherry Oh Baby".



As pedras rolantes quiseram inovar em seu disco "Black'n'Blue" e, além de gravarem um soul music com "Hei Negrita", incluíram esse cover de Eric Donaldson. Diferente dos casos anteriores, o Reggae dos Stones "não colou". Ressaltamos que o vocalista Mick Jagger afirma ter relações com o Reggae desde o final dos anos 1960, quando o estilo então tinha suas primeiras casas noturnas na Inglaterra.

04 . THE CLASH (1979) "Armagideon Times".



Esse cover do "One Hit Wonder" Willi Williams, saiu como lado b do single "London Calling", tendo entrado em coletâneas e apresentações ao vivo do grupo. Como veremos a seguir, ela não foi a única incursão de Joe Strummer, vocalista do THE CLASH, pelo Reggae.

05 . SCORPIONS (1979) "Is Anybody There?".



O disco "Lovedrive" dos hard rockers alemães do SCORPIONS marcou a substituição do excelente guitarrista Uli Jon Roth (ELETRIC SUN) pelo carismático Matthias Jabbs e ainda possui a participação do membro original Michael Schenker (UFO, MSG). Indiscutivelmente é um disco muito pesado, cujo pauleira é interrompida pelas baladas "Always Somewhere" (cujo introdução é idêntica a uma música do LYNYRD SKYNYRD) e "Holiday" e pelo reggae de "Is Anybody There?". Diferente dos casos já listados, a música tem o andamento todo de reggae, com refrão indiscutivelmente rockers.

06 . PHIL LYNOTT (1980) "Solo in Soho".



Indiscutivelmente, a ideia do frontman da ótima irlandesa THIN LIZZY, era inovar em seu disco solo. Afastando-se do hard rock que lhe rendera fama mundial, Lynott chamou muitos amigos para gravar o disco, e ainda que algumas canções soassem exatamente com o o THIN LIZZY, algumas delas até gravadas por membros e ex-membros da banda, outras, como "Yellow Pearl", eram de inspiração totalmente diversa. Prova disso é a própria faixa-título, um legitimo reggae que faz alusão ao famoso bairro boêmio londrino.

07 . NAZARETH (1982) "You Love Another".



Criatividade nunca foi problema para a fabulosa banda escocesa, que atacou com esse "Reggae puxado para o Rock" no disco 2XS. Esse foi o segundo de três álbuns que o Naz faz como sexteto. "You Love Another" não entrou nos posteriores discos ao vivo e coletâneas da banda.

08 . ROSE TATTOO (1982) "Sidney Girls".



Altamente influenciados pelos Stones e o Naz, a banda setentista de pauleira australiana tem um Reggae de peso que distoa do jargão "100% rock'n'roll" que eles passaram a usar nos anos 2000. Essa homenagem às moçoilas da cidade natal do quinteto, gravada no disco "Scarred for Life" não emplacou no restante da carreira vitoriosa do Rosie Tatts.

09 . FRANK ZAPPA (1983) "Stick Together".



"Aberração Estatística" em nossa lista, o músico estadunidense do THE MOTHERS OF INVENTION, gravou não apenas um, mas cinco Reggaes durante a década de 1980. Escolhemos a faixa do disco "The Man from Utopia" por ser a mais representativa.

10 . GAROTOS DA RUA (1987) "Fim de Século".


Um legitimo representante brasileiro em nossa listagem. A banda do saudoso guitarrista gaúcho BEBECO GARCIA (que na década seguinte formou o BANDO DE CIGANOS e se tornou artista solo) gravou esse único Reggae com participação do Eng. Humberto Gessinger (que tirou seu diploma no Havaí) no baixo para seu segundo disco "Doutor em Rock'n'Roll". "Fim de Século", destoantemente, tinha passagens bem rockers aliadadas à percussão, teclados, vocais femininos e metais que lhe davam um ar mais Reggae tradicional. A música não colou, talvez ofuscada pelos sucessos do LP, que tinha como carro chefe "Eu Já Sei" que foi tema de novela da globo, e inusitadamente o disco era fechado pela faixa que dizia "Eu toco rock, eu não dou bola para o resto". Muito infelizmente, esse LP nunca foi editado em CD e a música "Fim de Século" ainda permance inédita no youtube e nós não temos a tecnologia suficiente para disponibilizá-la neste formato.

11 . JOHNNY CASH (2003) "Redemption Song".



Bob Marley se valeu de palavras proferidas em discurso pelo famoso político jamaicano e defensor do Pan-Africanismo Marcus Garvey para compor a letra de "Redemption Song". Lançada na versão voz e violão no disco "Uprising" e posteriormente em single com a banda toda, a canção de protesto foi enorme sucesso. Então nos anos 2000, JOHNNY CASH a gravou num dueto com Joe Strummer, vocalista do THE CLASH, que saiu oficialmente no box "Unearthed", lançado dois meses depois do músico estadunidense falecer. Coincidentemente, o Joe Strummer havia gravado esse cover no seu disco solo Streetconer, lançado pouco antes de seu falecimento. Coincidente e tragicamente, o produtor Rick Rubin gravou o piano na versão do ex THE CLASH e produziu o dueto.

Encerramos aqui esta odisseia musical por meandros pouco visitados pelo Rock'n'Roll, esperando que todos tenham gostado. Utilize o espaço de comentários abaixo para citar bandas que esquecemos ou para simplesmente se expressar. Em breve, voltaremos com mais dissidências do Rock.

Um comentário:

  1. Muito legal! Como grande fã do Scorpions, lembrei na hora de "Is Anybody There?", que eu considero um hard/reggae. E como a introdução de "Always Somewhere" se parece com "Simple Man"? É praticamente idêntica mesmo!

    ResponderExcluir