terça-feira, junho 02, 2020

DRÁCULA NO MUNDO DO HEAVY METAL !!!

Romance epistolar que é a obra mais adaptada da história!! Drácula, publicado pelo irlandês Bram Stoker em 1897, não inventou nem foi o pioneiro quando se trata de vampiros; mas a o livro romântico que mistura ficção e terror e literatura gótica, é o mais influente do gênero! De adaptações sérias ou outras em que enfrenta de Batman, a Lobisomem, vai para o passado e o futuro, Vlad Tepesa vêm desde os anos 1970 influenciando o som pesado, indo do Hard Progressivo, Heavy até o Black Metal!

Ouça nosso podcast que está sedento para morder seu pescoço!


Além do especial vampiresco, nessa edição trouxemos os sons pedidos pelos ouvintes:

Lavra Misantropo, de São Thomé das Letras, Minas Gerais.
Ênio Correa, de Buenos Aires, Argentina.
Vulcano, de Campinas, São Paulo (guitarrista do HELLISH WAR).
Karla, de Belo Horizonte, Minas Gerais.

*
Confira nosso teaser ao som de CRADLE OF FILTH.




Rádio Rock Online ao vivo 24 horas por dia, sete dias por semana, rolando todas as vertentes do Rock'n'Roll, desde 2011 com sede em Taquaritinga, São Paulo.

Produtor Executivo: Gustavo Troiano.

Toda sexta-feira impar tem Rock Dissidente inédito.


*

ROCK DISSIDENTE # 106:


Abertura - STORMWITCH.


Bloco I - ENGLISH DOGS, MACABRE.

Bloco II - JOE SATRIANI, SLASH'S SNAKEPIT, ANVIL.
Bloco III - BIRTH CONTROL, BLUE ÖYSTER CULT.

Fundos
 - 
ROKY ERIKCSON, ANAL CUNT, ELETRIC WIZARD.


*
Gravado no estúdio "Casa da Rua do Beco", em Varginha, Minas Gerais, para todo universo conhecido, eternidade e além!



Produção, Roteiro, Seleção Musical e Locução: 
Willba Dissidente.
Produção Executiva: Gustavo Troiano.

SE VOCÊ LEU ATÉ AQUI CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK!!!!
SIGA @Rock_Dissidente NO INSTAGRAM!!!

*


Sites Relacionados:


terça-feira, maio 19, 2020

CORONAVÍRUS: os festivais adiados ou cancelados pela pandemia.

A edição # 105 do Rock Dissidente, a vigésima sexta pela Rádio Rock OnLine, tratou dos festivais no Brasil e na Europa que não aconteceram, ou acontecerão, na data prevista em decorrência da pandemia do novo coronavírus. Com capacidade de 10 a 70 mil pessoas, alguns festivais não rolarão pela primeira vez em três décadas, frustando não só os fãs, como também bandas que estariam voltando aos palcos neles ou fazendo shows especiais, às vezes tocando discos clássicos na integra!

Além desse tema especial, o periódico apresentou uma entrevista com Fernandrummer, batera do BLACKSMITH e baixista do GOREWAR, e Rafael Lourenço, do NEW DEMOCRACY, falando da MSM - Coletânea do Metal Sul Mineiro. Juntos, eles fizeram um disco duplo mostrando a atual cena UNDEGROUND aqui do Sul de Minas de Gerais!!!!

Ouça nosso podcast feito na união para fuder com o coronavírus!


Rádio Rock Online ao vivo 24 horas por dia, sete dias por semana, rolando todas as vertentes do Rock'n'Roll, desde 2011 com sede em Taquaritinga, São Paulo.

Produtor Executivo: Gustavo Troiano.

Toda sexta-feira impar tem Rock Dissidente inédito.

*
Confira o nosso teaser ao som de VIO-LENCE!!!!


*
ROCK DISSIDENTE # 105:


Abertura - LUJURIA.


Bloco I - SODOM, ACID, VULTURE (br).

Bloco II - MICHAEL SCHENKER FEST, CICLÓN.

Bloco III - SILENT HALL, DEVILS BLUES BOOZE, STAY CLEAN, KAMERATTA, COVA RAZA
Fundos - TROOPER, ICON

*

Gravado no estúdio "Casa da Rua do Beco", em Varginha, Minas Gerais, para todo universo conhecido, eternidade e além!



Produção, Roteiro, Seleção Musical e Locução: 
Willba Dissidente.
Produção Executiva: Gustavo Troiano.

SE VOCÊ LEU ATÉ AQUI CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK!!!!
SIGA @Rock_Dissidente NO INSTAGRAM!!!

*


Sites Relacionados:


quinta-feira, maio 07, 2020

Nightwölf: não é do Mortal Kombat, mas faz o Heavy ganhar de Fatality!

RESENHA: Unleash the Beast - NIGHTWÖLF.
NOTA: 9,00.

A fera rompeu as correntes e vai sedenta atrás dos detratores do Metal! Com clima medieval, "Unleash the Beast", primeiro EP do NIGHTWÖLF, é  True Metal com influências de Thrash, Speed, Hard Rock Setentista e Extremo; mas sem sair da ceara do tradicional. Formada em 1987, perdão, 2017, em Brasília, Distrito Federal, e notadamente influenciada pelo JUDAS PRIEST do "Painkiller", com produção lembrando Cris Tsangarides em diversos momentos, a banda apresenta um registro sem modismo ou concessões que fará a alegria dos heabangers que curtem em especial o finalzinho dos anos 1980 e começo da década de 1990.


Sabe aquele disco que quase todas as músicas irrompem com riff devastador de guitarra e tem um solinho ardido logo de cara, estilo "Rock You To Hell" do GRIM REAPER? Ou onde o mais moderno que se ouve são os timbres de guitarra e os bumbos duplos estilo PRIMAL FEAR ou o ACCEPT atual? E que o vocalista é certeiro e canto bem alto como no JUDAS PRIEST? Adicione uma dobra de guitarra, à la IRON MAIDEN aqui, um andamento influenciado no MANOWAR ali e uma dose de identidade própria. Em suma, o som do NIGHTWÖLF, totalmente gravado (em parceria com Wa Farias) e composto pela própria banda (exceto a intro em parceria Ricelly Lopez) é o bom e velho Heavy Metal preservado, registrado com a qualidade de hoje para as gerações futuras.






Exuberante, ágil e forte, o EP abre com a introdução "Lua e Sangue" (em tradução livre) e do som épico e medieval vêm um duelo de guitarras dobradas para a Fera começar seu banquete em nome do Metal. Na faixa-título já se nota um baixo bem pesado, que segue por todo o disco, de fundo aliado a vocais cantados em notas altas e solos com arpejos em que cada guitarra faz sua mágica de cada vez. "Shadowmaker" segue a mesma fórmula com algumas alterações: as virada a de bateria marcando os riffs, a parte meio "Wasted Years" do IRON MAIDEN antes do solo e talvez o refrão que será cantado com maior empolgação ao vivo e com certeza as linhas de baixo mais notórias. "Perpetual Crime", guardem esse nome, é a faixa mais oitentista do disquinho e destaque absoluto. Aqui foi usado aquele recurso do refrão sendo tocado em fade out para se encerrar a canção.

Estamos chegando à reta final de "Unleash the Beast", mas uma conclusão saltará aos ouvidos mais atentos. Os cinco integrantes da banda tem habilidade técnica acima da média, mas o que contou mesmo para o disco ser tão legal foi o bom gosto e a finesse das composições. "Halls of Hell", "Drops do Inferno" em tradução livre, é ainda mais cadenciada que a faixa anterior, mas mantém a característica do bumbo-duplo (de fato, esse som tem a levada de bateria mais bacana do CD) e das duas guitarras solando distintamente nesse estilo de True Metal cantado em inglês. Refrão mais épico do presente trabalho em meio aos riffs mais inspirados do disco fazem de "Holy Machine" um fechamento perfeito para esse álbum que não deixou a desejar por um momento sequer.




Fonte: Metal-Archives.

É impossível não ver a capa belíssima de Bebeto Daroz de um lobisomem com visual headbanger destruindo um castelo medieval, com direito a guerreiros armado e magos, e esse não ser um disco que é o mais Heavy Metal possível. Exatamente "Unleash The Beast" o é e faz jus à capa. A única dúvida é se existem inscrições ou mensagens subliminares nas muralhas que a fera destrói ao se libertar. Não há ceticismo ou descrença que os brasilienses estão inspirados e tem em mãos um material mais forte que o guerreiro homônimo do Mortal Kombat. Fatality em prol do Heavy Metal!




Recomendado para fãs de: TROPA DE SHOCK, COMANDO ETÍLICO, BATTALION, BREAKOUT, SWEET DANGER, HAZY HAMLET.

Quem quiser comprar o CD deve enviar um e-mail para talktonightwolf@gmail.com ou contatar o grupo nos links listados no final. "Unleash the Beast"vem me formato papersleeve (como se fosse um mini-lp) e CD original de mídia prateada prensada e pode ser adquirido por R$ 10,00 mais o frete. Inclusive, só não ganhou nota 10 porque faltou um encarte com as letras das músicas e fotos da banda. 




Além do CD físico, "Unleash the Beast" pode ser ouvido em diversas plataformas musicais como Spotify, Youtube, Deezer etc.

NIGHTWÖLF:


Jack Znake - Vocals.
Adan Hessen - Guitarra.
Roan Rafael - Guitarra.
Guilherme de Almeida - Baixo.
João Videira - Bateria.

Discografia:

Halls of Hell (Single, Digital, 2019).
Unleash the Beast (
EP, cd, 2020)

Unleash the Beast - Nacional - Independente - 26 minutos.


01 . Lunam et Sanguis (Intro-Instrumental) (01:19).
02 . Unleash the Beast (05:03).
03 . Shadowmaker (04:32).
04 . Perpetual Crime (04:21).
05 . Halls of Hell (05:09).
06 . Holy Machine (05:17).



Sites relacionados:

https://nightwolfmetal.bandcamp.com/
https://www.facebook.com/nightwolfmetal
https://www.instagram.com/nightwolfmetal

*

segunda-feira, maio 04, 2020

O DIA MUNDIAL DO TRABALHADOR no HEAVY METAL!

Um dia honesto de pagamento por um dia honesto de trabalho. Por que não haveria de ser assim? Primeiro de maio, dia do TRABALHADOR, pois como a pandemia de coronavírus bem mostrou é o trabalhador que gera riqueza. O ROCK DISSIDENTE, pela Rádio Rock Online, apresentou uma homenagem a todos trabalhadores. Sejam canções falando de se divertir para esquecer das mazelas do trabalho, de estar desempregado, de se organizar em sindicatos, das mulheres em dupla jornada, o Rock'n'Roll sempre trabalhou ao lado dos trabalhadores em seus mais diversos gêneros! Conheça essas canções e também um pouco da história envolvendo o dia do trabalhador.



Rádio Rock Online ao vivo 24 horas por dia, sete dias por semana, rolando todas as vertentes do Rock'n'Roll, desde 2011 com sede em Taquaritinga, São Paulo.

Produtor Executivo: Gustavo Troiano.

Toda sexta-feira impar tem Rock Dissidente inédito.

*
Confira o nosso teaser ao som de RUSH!!!



*ROCK DISSIDENTE # 104:

Abertura - HERMÉTICA.


Bloco I - PICTURE, ARKANGEL, CHICKENFOOT.

Bloco II - STYX, QUIET RIOT, ROSE TATTOO.

Bloco III - VANDENBERG, SKID ROW, LYNNYRD SKYNNYRD.

Fundos - OZZY OSBOURNE, THE WHO, GARY MOORE.

Fechamento - CHER and MICHAEL BOLTON.

*

Gravado no estúdio "Casa da Rua do Beco", em Varginha, Minas Gerais, para todo universo conhecido, eternidade e além!


Produção, Roteiro, Seleção Musical e Locução: 
Willba Dissidente.
Produção Executiva: Gustavo Troiano.

SE VOCÊ LEU ATÉ AQUI CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK!!!!
SIGA @Rock_Dissidente NO INSTAGRAM!!!

*


Sites Relacionados:


terça-feira, abril 21, 2020

LED SLAY: as músicas e a história do pioneiro salão de Rock Metal.

Fundada como uma equipe de som em 1972, em 1981 a LED SLAY se instalou na Avenida Celso Garcia, no Tatuapé, Zona Leste de São Paulo, capital, e desde então vêm fazendo história no som pesado brasileiro! Grandes bandas, como KREATOR, GRAVE DIGGER, DARK AVENGER, TUATHA DE DANANN etc, já tocaram na Led Slay, muito rolê undeground de som mecânico já rolou na Led Slay, assim como muitas baladas de banda cover e open colar rolaram na Led Slay. Relembre, ou conheça, as músicas mais fortes e desgraçadas que rolavam no salão (que  ia da MPB ao Metal Extremo) e saiba muito de sua história na centésima terceira edição do programa ROCK DISSIDENTE; a vigésima quarta pela RÁDIO ROCK ONLINE.



Rádio Rock Online ao vivo 24 horas por dia, sete dias por semana, rolando todas as vertentes do Rock'n'Roll, desde 2011 com sede em Taquaritinga, São Paulo.

Produtor Executivo: Gustavo Troiano.

Toda sexta-feira impar tem Rock Dissidente inédito.

*

Confira o nosso teaser ao som de ACCEPT!



*
ROCK DISSIDENTE # 103:

Abertura - YESTEDAY AND TODAY.


Bloco I - RORY GALLAGHER, FOGHAT.

Bloco II - IRON MAIDEN, JUDAS PRIEST, SAXON.

Bloco III - ANTHRAX, SLAYER, KREATOR, EXCITER.

Fundos - URIAH HEEP, ANGEL WITCH, RIOT

Fechamento - TWISTED SISTER.

*

Gravado no estúdio "Casa da Rua do Beco", em Varginha, Minas Gerais, para todo universo conhecido, eternidade e além!
Produção, Roteiro, Seleção Musical e Locução: Willba Dissidente.
Produção Executiva: Gustavo Troiano.



SE VOCÊ LEU ATÉ AQUI CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK!!!!
SIGA @Rock_Dissidente NO INSTAGRAM!!!

*


Sites Relacionados:


quinta-feira, abril 16, 2020

SPADES VANDAL: o primeiro baterista a lançar um disco solo excelente.

RESENHA: Spades Vandal - SPADES VANDAL
NOTA: 10,00.

Das lendas urbanas que cercam o Rock'n'Roll em todas suas vertentes uma das mais fortes é que os discos solo de baterista são sempre muito ruins. Exemplos? "Two sides of the moon", 1974, de Keith Moon, "Peter Criss", 1978, de Peter Criss, "Fun in Space", 1981, de Roger Taylor e "Herman Ze German",1986, de Herman Harebell, não figuram entre os favoritos de qualquer fã de THE WHO, KISS, QUEEN e SCORPIONS, respectivamente. Esses não são casos isolados. Pergunte aos fanáticos de FLETWOOD MAC, THE BEATLES, EAGLES etc. Levando em consideração os números, essa reportagem foi ouvir com receio a aventura solo do responsável pelo SAVANNAH.... mas, que surpresa mais agradável! O líder da banda que mais lançou demos-tapes na história do underground nacional soube mais uma vez se reinventar e produzir um disco que beira a perfeição e que explora elementos novos em sua carreira, sem perder a identidade.




SPADES VANDAL luta desde 1995 para manter o SAVANNAH, um dos raros grupos de Hard Rock Glam no Brasil. Surgido numa época que foi como um purgatório para quem curte o Metal dos anos 1980, Spades é vocalista e quando precisava assumia o baixo, a guitarra e a bateria para manter sua banda na estrada. Quando decidiu sair em carreira solo, optou por manter o posto de vocalista e ainda mandar ver na bateria e incluir muitos instrumentos de percussão para deixar o som bem cheio. Seu primeiro disco solo, que é um projeto de estúdio (primeiramente), soa como se fosse o BARÃO VERMELHO de 1990 a 1995, época mais rocker do grupo carioca, tocando um som mais Heavy Metal amalgamado com Sleazy Glam. Em suma, um Rock 'n' Roll antifascista com muito liberdade, libertinagem e sexualidade na mesma tradição do TIGERTAILZ e outros nomes do estilo.

Ousado, mágico, lascivo e contagiante, "Spades Vandal", o disco, tem também muita influência de HANOI ROCKS, por usar e abusar também de metais (saxofone), instrumentos de sopro (gaita, flauta) e pianos. Ainda que não seja absolutamente novo, esse recurso nunca foi muito explorado no Rock pesado, então a presença especial do lendário King Jim (Ricardo Cordeiro) no disco deixa o som de Spades com uma carinha até de GAROTOS DA RUA; clássica banda do Rock BR anos 80 do Rio Grande do Sul. Gravado no formato power-trio, acompanham o vocalista, baterista e percursionista, o ótimo baixista Lee Willis (da excelente banda RÉUS ANJOS) e o guitarrista Lucky Trance; que expandiu os limites com fraseados e solos à la VAN HALEN. As letras (e atitudes básicas) são todas de Spades, com a composição musical creditada aos três.



A dupla "A Chance to Change" e "PA After midnight" (uma homenagem a Porto Alegre, de onde Spades é), que abre o trabalho, não são as faixas mais legais, mas já explicitam o que esperar do disco. O destaque vem com "I Cannot go Back" que se por um momento soa até aqui como o SAVANNAH com percussão e saxofone e flautas tem um interlúdio reggae na melhor tradição "D'ye Maker" do LED ZEPPELIN. "Looking for a Lover" vêm com o solo de guitarra mais inspirado, mas em nada perde para "Let's Start a Revolution" com seu refrão de destaque no play. Portadora da linha de baixo mais presença, "I Don't Want to Hurt You" é a baladaça do álbum. Inclusive, o SAVANNAH sempre foi notório por excelentes baladas. Muita influência de TUFF e PRETTY BOY FLOYD seguem em "Non Stop Lady" e "Not Good Enought" com seu inusitado solo de flauta, ao invés do de guitarra no meio do tema. O encerramento é com "You're Not the Owner of My Heart" em que Spades explorou linhas alternativas de vocal e que, na opinião dessa reportagem, as percussões ficaram mais precisas.

O único defeito do CD, em sua proposta de unir os anos oitenta com percussão e metais, é que ele foi feito por três pessoas e se precisariam de, pelo menos, seis musicistas no palco para ser executado. Um fato inusitado, e que carece de respostas, é o fato do baterista e vocalista Spades Vandal estar em TODAS as fotos promocionais mexendo em seus óculos ray-ban espelhado de aviador. Seria uma magia ou superstição para o disco "dar certo"?? Só sabemos dizer que funcionou!



Um disco rápido, de músicas que variam entre 3 e 4 minutos, e não enjoa ao ouvir. "Spades Vandal", em suma, mantém a estética, a afinação e os timbers dos anos 1980 e inova ao focar nas percussões e instrumentos de sopro; que, não obstante não serem uma novidade, foram pouco explorados nesse gênero musical.

Recomendado para fãs de: GUEPPARDO, RÉUS ANJOS, ROSA TATTOOADA, SAVANNAH, HANOI ROCKS.

"Spades Vandal" vem em CD prensado em mídia prateada, ou seja, original, caixa de acrílico com impressão na bandeja e encarte de oito páginas com dados técnicos, textos de Marcos Gurgel e Sebastian Carsin (em português) e muitas fotos; inclusive aquela miscelânea tão comum às bandas de Thrash Metal.

Quem quiser comprar o CD pode contatar o próprio SPADES VANDAL pelos links relacionados. Quem disser que veio comprar o disco após ler a resenha no ROCK DISSIDENTE ou no WHIPLASH paga somente R$ 20,00 com frete incluso para todo o Brasil.


SPADES VANDAL:

Spades Vandal - vocal, percussão e bateria.
Lucky Trance - guitarra.
Lee Willis - baixo, backing vocals, gaita e piano.

Participações:

Saxofone - King Jim (Ricardo Cordeiro do GAROTOS DA RUA) .
Flauta - LF Abruzzy.
Backing vocals e vocal principal na segunda estrofe da faixa 8 - Cristian CJ.
Percussões adicionais - Andy Crash.

Discografia:

Spades Vandal (Full Length, cd, 2019).

Obs.: para ver a discografia do SAVANNAH acesse esse link:
http://rockdissidente.blogspot.com/2019/12/savannah.html



Spades Vandal - 2019 - Nacional - Trepada Records - Hurricane Records - 31'.

01 . A Chance to Change (02:44)
02 . P.A. After Midnight (03:55)
03 . I Cannot Go Back (03:56)
04 . Looking for a Lover (03:14)
05 . Let's Start a Revolution (03:28)
06 . I don't Want to Hurt You (03:54)
07 . Not Good Enough (03:02)
08 . Non Stop Lady (02:57)
09 . You're Not the Owner of My Heart (04:06)

Links Relacionados:

https://www.facebook.com/Spadesvandal/
https://www.facebook.com/spades.vandalband.3
https://www.youtube.com/channel/UCctbkr9mPDBTrcJo5_Lc4zQ

*

quinta-feira, abril 09, 2020

EAGLES: site católico italiano encontra o Diabo em contra-capa de disco.

O nosso amado Rock'n'Roll é o estilo musical mais prolixo em mensagens escondidas nos discos e músicas que supostamente tem relação com o Satanismo. Nesse sentido "Stairway to Heaven" do LED ZEPPELIN é um clássico absoluto de tantas mensagens, coincidências e ligações que já SUPUSERAM dessa música com o Inferno. Ainda que os reino unidenses abusassem do ocultismo nas suas composições e o guitarrista Jimmy Page até chegou a comprar uma residencia de Aliester Crowley na Escócia, há uma outra canção que chega perto do sucesso do disco "Led Zeppelin IV" quando o assunto são SUPOSTOS pactos com Lúcifer.



Estamos falando de "Hotel California", que os estadunidenses do EAGLES lançaram ao fim de 1976. O solo de guitarra que tem feito muito casais dançarem agarradinhos, a letra misteriosa e todas as acusações que o Hotel fosse sede da Ku Klux Klan (racistas e fundamentalistas cristãos) ou da Igreja de Satã (que nega as religiões abraâmicas e é contrária ao racismo) já são muito conhecidas. Acontece que um site católico da Itália encontrou o próprio Diabo e Anton LaVey, fundador da Igreja de Satã, na contra-capa do do quinto disco da banda e ainda diz ter desvendado um dos trechos mais enigmáticos da letra!


Escrita por Don Felder, Don Henley e Glenn Frey, "Hotel California", a música, fez o disco que carrega seu nome vender mais de 16 milhões de cópias pelo mundo; o maior sucesso do EAGLES. O edifício na capa da álbum, que tanto gerou polêmicas quanto a sua história e localização, realmente existe e de fato é um hotel; só que de luxo.

É o Beverly Hills Hotel, que fica no número 9641 da Sunset Boulevard em Los Angeles, Califórnia, sendo frequentado por estrelas do cinema e do Rock. Nós vamos apresentar então a interpretação do Centro Culturale San Giorgio, fundado em Ferrara, na Itália, no ano de 1990, e cuja a missão, auto-imposta, é expandir a doutrina social do Magistério da Igreja Católica em nível cultural. Em suma, criticam o aborto, o feminismo, legalização das drogas, os LGBT's (*) e tem em seu site um acervo enorme de músicas com supostamente mensagens subliminares satânicas.


Ainda que os boatos que dizem que os membros do EAGLES sejam satanistas tenham surgido em 1977 por um pregador fundamentalista evangélico do Sul do Estados Unidos, esses já foram desmentidos em todas as oportunidades pelos membros da banda. O site italiano analisou a foto interna da capa gatefold do LP para encontrar duas imagens, ainda que não muito nítidas, que em que Anton LaVey estaria escondido na festa do saguão do Hotel California. Na versão do LP brasileiro, é a foto ao lado da letra de "Hotel California".

Nos três arcos do canto superior direito há uma figura calva de cavanhaque que o site indica que pode ser o sumo sacerdote da Igreja de Satã. Contraditoriamente, o site indica que LaVey talvez possa estar escondido atrás de um lustre perto do personagem não identificado. Quiças um truque de fotografia para a mesma pessoa aparecer duas vezes na mesma foto? Ou um sósia? Tudo muito improvável, contudo.



Adicionando novidade, os italianos encontraram duas figuras sinistras atrás da banda, uma delas assustadora como um demônio e outra de chifres. Os católicos da península argumentam que essas figuras são atores vestindo máscaras de animais e demônios como as que são usadas em rituais satânicos. Para corroborar a análise italiana, é argumentado ainda que a letra diz de se "matar a besta com punhal de aço" e "que esse vinho (spirit em inglês) não é servido desde 1969", porque nos mesmos rituais da religião de LaVey se usam espadas e que a fundação da Igreja de Satã é do ano de 1969 e o "spirit" citado na canção não é vinho e sim o espírito santo!!!!


Anton Szandor LaVey faleceu aos 67 anos em 1997 vitima de um ataque cardíaco. Até onde essa reportagem pode apurar nunca foi questionado se realmente participou da capa do disco do EAGLES. Já os membros da banda, afirmam, categórica e explicitamente que todos os presentes na capa do disco são figurantes os quais eles nunca tiveram contato anterior ou posterior. Sobre a letra, os autores reiteram que ela é uma metáfora ao estilo de vida hedonista que muitas bandas levavam; em especial na década de 1970. Para encerrar com chave de ouro e concluir sua análise, o site italiano "lembra" que nome da banda vêm do antropólogo peruano Carlos Castañeda, cujo maior sucesso como escritor é o livro "A erva do Diabo", de 1968. Novamente, e como todas a outras afirmações anteriores, essa carece de fontes ou confirmações.

O Rock Dissidente finda seu artigo lembrando que o fundamentalismo e toda forma de fanatismo religioso e conservadorismo são contrários à sociedade multicultural de que o Rock'n'Roll, como estilo musical e de vida, depende para existir livremente. Adicionamos que as mesmas pessoas que buscam "pelo em ovo" para provar que o Rock'n'Roll é ruim e danoso são aquelas que usam a bíblia cristã para destilar preconceitos contra a luta de outras minorias, como mulheres e LGBT's.

Após ler o artigo, ouvir a música e analisar as fotos e fatos, comente sua opinião. Os católicos italianos estão viajando ou a interpretação deles tem sentido?

*

Site relacionado (em italiano):
http://www.centrosangiorgio.com/rock_satanico/pagine_significato_covers/cover_hotel_california.htm

(*) Nota do editor: o site do Centro Cultural São Geórgio não se diz homofóbico, mas seu discurso diz que homossexuais devem enfrentar, individualmente, a ira de deus e se opõe a músicas, filmes, livros etc que tratem outras sexualidades que não a hétero e cis como normal. Todavia, tratar como anormal alguém por conta da identidade sexual dessa pessoa é exatamente uma característica da homofobia.