domingo, janeiro 19, 2020

OS DISCOS MAIS ESPERADOS DE 2020: Hard, Heavy, AOR, Thrash Metal.

O Rock Dissidente separou quais são os discos mais esperados que estão programados para serem lançados em 2020!! Nessa nova década de Heavy Metal, os veteranos estão com tudo, os conjuntos então emergentes estão estabilizados e tem novos super-grupos surgindo.

Ainda que muitos sites e periódicos estejam apostando em nomes como Rob Zombie, Lordi, Cradle of Filth, Moonspell, Paradise Lost, Lamb of God, Trivium, Demons and Wizards, Kvelertak, Heaven Shall Burn etc.... o Rock Dissidente preferiu indicar nomes como KING DIAMOND, ANVIL, MAGNUM, ANNIHILATOR, além de membros de SAXON, MAD MAX e IRON MAIDEN que estão soltando trabalhos solistas.

Saque só nosso podcast de vanguarda!!!



Rádio Rock Online ao vivo 24 horas por dia, sete dias por semana, rolando todas as vertentes do Rock'n'Roll, desde 2011 com sede em Taquaritinga, São Paulo.

Produtor Executivo: Gustavo Troiano.

Toda sexta-feira impar tem Rock Dissidente inédito.

*

Assista o teaser dessa edição, ao som do disco  "Mind Frezze"do HAUNT!
Esse grupo de Heavy Metal Místico dos EUA está com tudo e em breve será um dos maiores nomes da cena! 



*

Rock Dissidente # 96:

  • Abertura - MAGNUM.
  • Bloco 01 - ANVIL, KING DIAMOND, BIFF BYFORD.
  • Bloco 02 - BLACK SWAN, SHAKRA, WOLFPAKK. 
  • Bloco 03 - MIDNIGHT, ANNIHILATOR.
  • Fundos -  RAGE, BRITISH LION, COMANIAC.
  • Encenrramento - BURNING WITCHES

Gravado no estúdio "Casa da Rua do Beco", em Varginha, Minas Gerais, para todo universo conhecido, eternidade e além!

Produção, Roteiro, Seleção Musical e Locução: Willba Dissidente.





*

SE VOCÊ LEU ATÉ AQUI CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK!!!!
SIGA @Rock_Dissidente NO INSTAGRAM!!!

*



Sites Relacionados:


terça-feira, janeiro 07, 2020

OS MELHORES DISCOS NACIONAIS DE 2019 - Hard, Punk, Heavy, Thrash, Folk, Prog.

Conheça as indicações do Rock Dissidente de discos brasileiros de música pesada lançados em 2019! Nesse ano tivemos o ressurgimento de bandas antigas, como o AVE SANGRIA (após 40 anos inativa), já consagrados, como TUATHA DE DANANN e COMANDO ETÍLICO, apresentaram excelenteS e esperados trabalhos, além surgirem novos nomes despontando no cenário brasileiro. Ainda que nenhum dos grupos tenha apresentado o melhor disco ou EP de sua carreira, são todos discos excelentes que valem ser curtidos. Em 2019, talvez pela primeira vez, tivemos uma artista transsexual entre os melhores do ano!

Lembramos que essa listagem são indicações do Rock Dissidente de discos pesados nacionais lançados esse ano que, embora não estejam sendo tão celebrados pela grande mídia, vão agradar quem curte o Metal brasileiro! Confira!



Rádio Rock Online ao vivo 24 horas por dia, sete dias por semana, rolando todas as vertentes do Rock'n'Roll, desde 2011 com sede em Taquaritinga, São Paulo.

Produtor Executivo: Gustavo Troiano.

Toda sexta-feira impar tem Rock Dissidente inédito.

*

Assista o teaser dessa edição, ao som de  "Silent Protest"do NECROFOBIA!!! Esse Thrash Metal de Ribeirão Preto, São Paulo, só não entrou em nossa listagem por falta de tempo.



*

Rock Dissidente # 95:

  • Abertura - AVE SANGRIA
  • Bloco 01 - HELLISH WAR, UGANGA, TORMENTA, SADISTIC MESSIAH. 
  • Bloco 02 - FÖXX SALEMA, JAVALI, SPADES VANDAL. 
  • Bloco 03 - AÇÃO DIRETA, SURRA.
  • Fundos -  COMANDO ETÍLICO, RIFFCOVEN, INOCENTES.
  • Encenrramento - TUATHA DE DANANN.

Gravado no estúdio "Casa da Rua do Beco", em Varginha, Minas Gerais, para todo universo conhecido, eternidade e além!


Produção, Roteiro, Seleção Musical e Locução: Willba Dissidente.
Agradecimentos: Gustavo Troiano e Alexandre Quadros




*

SE VOCÊ LEU ATÉ AQUI CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK!!!!

*



Sites Relacionados:


segunda-feira, dezembro 16, 2019

OS MELHORES DISCOS GRINGOS DE 2019 - Hard, Heavy, Thrash, Stoner, Death.


Quais os discos de Metal mais legais lançados em 2019? Em sua edição de número # 94, a décima quinta pela Rádio Rock Online, o programa ROCK DISSIDENTE apresenta suas escolhas, numa vasta seleção de gêneros de música pesada.

Ainda que os veteranos ANGEL WITCH e DIAMOND HEAD estejam sendo elencados em todas as listas por ai, o ROCK DISSIDENTE, tocando música do Mal contra a sociedade patriarcal, chama a atenção para lançamentos mais undergrounds como o Stoner Metal do DUEL, o Death Metal do GATECREEPER e Hard 'n' Heavy do NIGHTBOUND; além de quebrar o eixo Estados Unidos - Inglaterra, com bandas da Irlanda, Espanha, Finlândia, Paraguai, Suécia etc. Em suma, notam-se que os veteranos voltaram com tudo, algumas bandas já estabilizaram-se no underground, mas ainda há pouca presença de mulheres, latinos e do Metal Extremo entre os destaques de 2019.

Ouça nosso podcast sucesso na gringa em 2019:





Rádio Rock Online ao vivo 24 horas por dia, sete dias por semana, rolando todas as vertentes do Rock'n'Roll, desde 2011 com sede em Taquaritinga, São Paulo.

Produtor Executivo: Gustavo Troiano.

Toda sexta-feira impar tem Rock Dissidente inédito.

*

Assista o teaser dessa edição, ao som de QUIET RIOT!



*

Rock Dissidente # 94:

  • Abertura - DIAMOND HEAD.
  • Bloco 01 - SACRED REICH, GATE CREEPER, CHILDREN OF BODOM. 
  • Bloco 02 - BLACK STAR RIDERS, LUJURIA, NIGHTBOUND. 
  • Bloco 03 - DUEL, CONJURING FATE, DREAM TRÖLL.
  • Fundos -  ENFORCER, TYGERS OF PAN TANG, HELVETETS PORT.
  • Encenrramento - ANGEL WITCH

Gravado no estúdio "Casa da Rua do Beco", em Varginha, Minas Gerais, para todo universo conhecido, eternidade e além!



terça-feira, dezembro 03, 2019

Savannah: banda campeã em lançar fitas demo no Brasil tem discografia relançada!


Resenha: SAVANNAH - os 16 registros fonográficos.
Nota: 10,00.

Eram finais de anos 1990 e o Hard Rock e o Glam, que haviam sumido do mainstream no começo da década, estavam esquecidos no underground. Foi também justamente a época em que as duas principais bandas do Rio Grande do Sul, dentro de seus estilos, o ROSA TATTOOADA, no Hard Rock e o LEVIAETHAN, no Thrash Metal, estavam inativas. Nesse contexto, parecia inimaginável que gaúchos que pareciam saídos do clipe de "Tears are Falling", de 1987, do KISS, apareciam repetidamente nas páginas da Rock Brigade e outros zines de tempos em tempos lançando fitas K7 no formato demo e tocando música que soava como os anos 1980! Acompanhe essa resenha biográfica e conheça a história a e luta de 23 anos de carreira underground do SAVANNAH, que teve sua discografia inteira resgatada e está disponível à venda!


Spades, French e Frab em 1997

Se nos anos 2010 é comum ver bandas de Metal e Hard descaradamente oitentistas, na década de 1990, tudo que vinha dos oitenta era hostilizado por isso. "Anacrônico, oitentista e underground"; esse é o SAVANNAH. Todavia, se engana quem pensa que a banda seguiu esses 23 com roupas e sonoridade no mesmo estilo da primeira (heroica) fase das demos em fita cassete. O SAVANNAH passou pelo Sleaze, pelo Hard, pelo Heavy Metal, pelo Hard 'n' Heavy, sempre mantida pelo vocalista e multi-instrumentista Spades.



De letras mais fofinhas às de crítica social, das músicas em inglês e em português. Todavia, sempre uma grande e duradoura inspiração no som e na postura underground; com o visual às vezes mais, às vezes menos espalhafatoso.



Todos os registros do Savannah foram relançados pelo selo "Som de Peso" (link ao final da matéria). Ao todo são dez cdr's impressos em formato mini-lp que contabilizam os 16 registros fonográficos do grupo gaúcho liderado pelo vocalista (e ás vezes baixista, guitarrista e baterista) Spades Vandall. Muitos desses discos só existiam em fitas K7 e outros estão sendo relançados pela primeira vez em CD. Apenas o primeiro volume, das duas primeiras demos, possui faixas bônus. Infelizmente, os discos não tem encarte ou resgate do material gráfico, agradecimentos etc da época; todavia constam as informações de composição / gravação completas.  Até a demo de 2007, capa volume inclui duas demos em um cd, doravante é um disco completo por cd. Ainda que até  2002 os discos venham de gravações em fita, a masterização foi muito bem feita e não se perde muita qualidade em comparação aos registros posteriores. As exceções são as demos "Open Wide..." e "In defense..." cuja produção da época não ficou tão legal.



Banda que durante bom tempo teve a faixa de abertura coincidindo com a faixa título (ou quase), ouvindo os relançamentos da Som de Peso é fácil de notar que o SAVANNAH passou por diversas fases durante a carreira.



A primeira está representada nos volumes 1 e 2 dos relançamentos e são a fase inicial do SAVANNAH com o membro fundador Frab nas guitarras. Melhor guitarrista que já passou pela banda, Frab faz solos sensacionais e, não obstante o visual mais  ENUFF Z'NUFF, seus riffs de guitarra tem muito metal tradicional na linha ACCEPT ou do RATT dos primeiros discos. Nessa época, as composições, que mais tarde seriam a maioria de Spades, são divididas com o guitarrista.Cambiando de baterista a cada registro, French esteve no baixo até a terceira demo. Nessa época também surgem excelentes baladas e se nota aqui e acolá uma desafinada do vocalista.



Na última demo desse ciclo, a quarta, o grupo gravou pela primeira vez uma canção em português, um cover do ROSA TATTOOADA com participação do próprio Jacques Maciel.



"Looking for a Thrill", já sem Frab nas guitarras, marcou uma transição do grupo do Hard 'n' Heavy para um som mais Sleazy Glam, com nítidas influências de PRETTY BOY FLOYD, TUFF, SLEEZE BEES, L.A. GUNS, POISON e FASTER PUSSYCAT. Ainda que estivéssemos já nos anos 2000, o SAVANNAH estava fazendo o som nitidamente de 1989!!! Essa sonoridade se concretizou na demo "P.A. Glam".



Seguindo essa sonoridade, entram na banda Luly, Puff e Glimm, que ficariam com Spades pelas 04 demos seguintes. Além do som mais "punkiado hard rock", seguem as excelentes baladas e o SAVANNAH passa a tocar exclusivamente em português. Esse foi o SAVANNAH mais clássico, com músicas mais despretensiosas falando de amor, sexo e amenidades; porém sempre com qualidade.



"Caçador da Madrugada", muito influenciada por MÖTLEY CRÜE, "Tesão" e as faixas títulos das demos "Rebeldes, Renegados, Perdidos e Degenerados" e "Vivendo Rápido para Morrer Cedo" geraram clássicos da banda, assim como a balada "Você se Foi". Com "Submundo", muda-se o baixista, perde-se a estabilidade na formação e banda encontra o peso do Heavy Metal e de letras mais críticas às mazelas sociais. Com Spades dominando as composições, o visual fica mais focado no Dark. Segue-se o trabalho "Inverso-Reverso", na mesma pegada de Metal tradicional cantado em português.



Em 2006, o SAVANNAH completava 10 anos de banda e lançava a demo "Disciplina", que novamente é uma ponte para a "fase seguinte" do grupo. As letras ainda são em português, mas o som está modernizado, com guitarras soando industriais, estilo NINE INCH NAILS, MARILYN MANSON, MINISTRY e até W.A.S.P do "Kill Fuck Die" e com bateria de bumbo duplo. As letras niilistas são cantadas com efeitos e distorções.



"Hell is Here", a demo de 2007, consolidou então a terceira fase do SAVANNAH: Metal mais moderno, um pouco como ALICE COOPER em "Brutal Planet", e letras em inglês. Agora Spades gravou baixo e guitarra com o musicista de estúdio Oreja que também cedeu o estúdio para gravação. Já sem formação, o SAVANNAH se torna a banda de um homem só, de Spades e já era hora de se lançar um debut full-lenght, não?



Após 12 demos (!!!!) o conjunto de Spades solta "Underworld-Underground". Registro mais pesado e sombrio da carreira do SAVANNAH, esse disco de 2009 é também o favorito de Spades. Não é para menos. Lutty, da fase mais Glam, volta para as guitarras e ajuda nas composições que seguem cada vez mais maduras no instrumental (com destaque para intro "Down") e poéticas e críticas nas letras indo a fundo na escuridão da natureza humana.



Das baladas e blues que há muito haviam sumido, temos em substituição som para bater cabeça e abrir roda. Spades passa a desenvolver e dominar um estilo vocal mais seu, agudo e rasgado e sujo quando o som precisa. A evolução natural do SAVANNAH chega a assustar e pode ser que quem é fã ferrenho dos discos mais Hard e Glam pode considerar a "Underwolrd - Underground" mais moderno e pesado demais, mas o fato é que nesse disco estão os melhores solos e riffs de Luty e nata condensada do que o SAVANNAH é; um equilíbrio entre o oitentista e moderadamente moderno.



"A New Way to Live" tirou do SAVANNAH a alcunha de banda de um homem só e o conjunto voltou a ter estabilidade na sua formação com a volta de Frab nas guitarras e a chegada do baixista Wagg. O rock pesado continuou no Heavy Metal moderno com letras em inglês. Todavia, qual luz no fim da escadaria, os sons perderam um pouco o ar "dark". Nesse lançamento o visual Glam do começo de carreira, que havia se tornado Dark Glam em "Underworld-Underground", passa a ser o contemporâneo e descolado Hard Rock do "camisetão"



Com uma velha guitarra e seu velho guitarrista arrasando nos licks, leads, riffs e solos, o ano de 2015 trouxe "Do What You Wanna Do". O SAVANNAH continuou o trabalho dos discos anteriores, porém mais tradicional e mais Hard 'n' Heavy. Sem efeitos modernos e afinações mirabolantes, mas com muita competência e composições maduras. Certamente, um dos melhores discos, se não o melhor, e o que mais agrega fãs de todas as fases anteriores.



Após 20 anos seguidos de batalha, lançando quase que um disco por ano, a carreira do grupo foi celebrada a coletânea "The Last Twenty Years". Com 20 faixas, infelizmente, não coube espaço para músicas de todos os discos, e qualidade das gravações que vai variando ao longo das rotações do CD. Mas a coletânea não é só recordação, já que ela abre e fecha com sons novos. "Don't Give My Dreams"  e "Taste your Body", que é mais legal, são muito bem gravadas e soam como uma transição entre os primeiros trabalhos e os últimos.



É vitoriosa uma carreira que ganhou muito dinheiro e reconhecimento da mídia? Ou ganha mesmo que consegue se sustentar por anos e anos no underground sem apoio, sem grande mídia, mas com o reconhecimento do valor cultural? Acreditamos na segunda opção. O SAVANNAH por sua heróica carreira de 12 demos e 4 discos lançados tinha status de banda cult entre os headbangers, hards e rockers brasileiros. Com os relançamento da Som de Peso, o que era Cult pode passar a ser não só reconhecido, mas ter suas músicas conhecidas e passar a ser lenda. Vida longa a lenda do SAVANNAH!

BÔNUS: para o ano de 2019 o vocalista SPADES VANDAL se lançou como artista solo lançando um disco auto-intitulado na mesma linha do começo de carreira do SAVANNAH.... e o visual espalhafatoso voltou com tudo!!



Sites relacionados:

http://www.fb.com/somdepeso/
(51) 9 8925 - 1387

http://www.facebook.com/Savannah-Hard-Rock/
https://www.youtube.com/channel/UCctbkr9mPDBTrcJo5_Lc4zQ/

DISCOGRAFIA:



Savannah (1998)

01 . Sex Dirty (03:28)
02 .  Looking For Some Action (03:33)
03 .  Hungry For Your Love (04:48)
04 .  Night After Night (04:24)

Spades - Vocal
Frab- Guitarra
French - Baixo



Open Wide and Look Inside (1998)

01 . Open Wide and Look Inside (03:58)
02 . Woman In Disguise (04:20)
03 . Tearin' Down The Walls (05:31)

Bônus (gravadas ao vivo em 1996):

08 . Stat Attraction (02:31) *
09 . Hollywood Killers (03:52) *
10 . Nigh After Night (04:59)

(*) Cover do TIGERTAILZ

Spades - Vocal
Frab- Guitarra
French - Baixo
Baterista convidado - Bunny





In Defense Of... (1999)

01 .  She's Too Hot Tonight  (05:27)
02 . Little Beauty Seventeen (04:25)
03 . Hot Love  (04:10)
04 . I Can't Wait (05:47)
05 . Time Will Tell (03:39)

Spades - Vocal
Frab - Guitarra
Frenchy - Bass
Raff - Bateria



Back for the Night (2000)

01 . She's Mine (03:46)
02 . Back for the Night (03:47)
03 . Don't Wanna (Cry No More) (05:35)
04 . Scrach Me (03:32)
05 . Voltando para Casa (03:40) (Cover do ROSA TATTOOADA)

Spades -Bateria e Vocal
Frabs - Guitarra e Baixo
Jacques Maciel (ROSA TATTOOADA) - voz em "Voltando para Casa".



Looking for a Thrill (2001).

01 . No Compromisse (03:29)
02 . Looking for a Thrill (03:51)
03 . I Forget to Remember (To Forget You) (03:38)

Spades - Vocal e Baixo
Dada - Guitarra
Freak - Bateria



P.A. Glam (2002)

01 . Posso Olhar, mas não posso tocar (04:01)
02 . Hora do Amor (03:46)
06 . Ninfomaníaca (03:24)

Spades - Vocal
Luly - Guitarra
Puff -Baixo
Glimm - Bateria




Vivendo Rápido para Morrer Cedo (2002)

01. Noites loucas (03:29)
02 . Doce Tormento (04:11)
03 . Mentiras de Amor (03:29)
04 . Garota Bomba (04:07)
05 . Você se Foi (02:41)

Spades - Vocal
Luly - Guitarra
Puff -Baixo
Glimm - Bateria


Rebeldes, Renegados, Perdidos e Degenerados (2003)

01 . Rebeldes, Renegados, Perdidos e Degenerados (02:40)
02 . Alô! (02:48)
03 . Não Diz que Não (03:13)
04 . Caçador da Madrugada (04:47)
05 . Tesão (03:05)

Spades - Vocal
Luly - Guitarra
Puff -Baixo
Glimm - Bateria



Submundo (2004)

01 . Submundo (Intro) (00:36)
02 . Caminho sem Volta (04:09)
03 . Doce Lar Submundo (03:36)
04 . Linhas Brancas (04:02)
05 . A Morte Chama (03:40)
06 . Minha Cruz (03:40)

Spades Vandal - Vocal e Percurssão
Luty Raggen - Guitarra
CJ - Baixo e Vocal
Glimm Xotter - Bateria



Inverso - Reverso (2005)

01 . Reverso - Inverso (00:44)
02 . Liberte sua Mente (03:59)
03 . Levantando da Sarjeta (05:05)
04 . Embaixo da Terra (04:41)
05 . Empurrando Pedra com a Barriga (02:21)
06 . Vida Desperdiçada (03:32)

Spades Vandal - Vocal e Percurssão
Luty Raggen - Guitarra
CJ - Baixo, Guitarra Solo e Vocal
Glimm Xotter - Bateria
Participação especial - Meleu (R.I.P.) na faixa "Empurrando Pedra com a Barriga".



Disciplina (2006).

01 . Umbral (intro) (02:36)
02 . Aqui se faz, aqui se paga (02:52)
03 . Liberdade (02:40)
04 . Fim dos dias (03:17)
06 . Disciplina (intro) (00:57)
07 . Ver para Crer (02:33)

Spades - Vocal, baixo e guitarra
CJ - guitarra
Oreja - Bateria



Hell is Here (2007).

01 . Last Breath (Introdução) (01:27)
02 . Human Race: The World's Cancer (04:49)
03 . Woman and Drinks (03:33)
04 . Jump in the Void (03:19)
05 . Survive in Hell (02:35)

Spades - Vocal, guitarra e baixo
Oreja - Bateria



Underworld Underground (2009)

01 . Rise from the Gutter (04:45)
02 . No Submission (03:38)
03 . Just to Believe (04:13)
04 . Smobody's falling (05:19)
05 . Running from the Wicked (04:43)
06 . Down (01:33)
07 . My Dark Side (03:41)
08 . Under - Under (04:31)
09 . To Hell and no Return (03:31)

Spades - Vocals
Lutty - Guitarras
Jon "TM" - Guitarras
Bareh - Baixo
Paul Paul - bateria




A New Way to Live (2012)

01 . Die For Freedom (03:03)
02 . Nothing Left To Say (04:55)
03 . Out Of Control (03:10)
04 . A New Way To Live (03:07)
05 . Release My Soul (04:10)
06 . I Was Born (To Live Alone) (03:30)
07 . Don't Follow My Way (03:49)
08 . Living In The Past Time (03:07)

Spades - Voz
Frab - Guitarra
Wagg- Baixo
Raff - Bateria



Do What you Wanna Do (2015)

01 . Free Life (03:56)
02 . Call of the Streets (03:16)
03 . No Way Out (02:58)
04 . Fire (03:17)
05 . We got the Power (04:04)
06 . Remember the Avenue (04:08)
07 . Do What You Wanna Do (04:50)
08 . Never Give Up (04:25)

Spades - Voz
Frab - Guitarra
Wagg- Baixo
Paul - Bateria



The Last Tweenty Years (2018)

01 . Don't Give Up My Dreams (04:06)
02 . Die For Freedom (03:03)
03 . Free Life (03:56)
04 . Sex Dirty (03:28)
05 . Doce Lar Submundo (03:36)
06 . Back for the Night (03:47)
07 . Doce Tormento (04:11
08 . Out Of Control (03:10)
09 . Just to Believe (04:13)
10 . Looking For Some Action (03:33)
11 . Remember the Avenue (04:08)
12 . Underworld Underground (04:31)
13 . Open Wide and Look Inside (03:58)
14 . I Was Born (To Live Alone) (03:30)
15 . Caminho sem Volta (04:09)
16 . Woman In Disguise (04:20)
17 . Looking for a Thrill
18 .  Scrach Me (03:32)
19 . Rebeldes, Renegados, Perdidos e Degenerados (02:40)
20 . Taste Your Body (03:56)
Total: 77 minutos.

*

domingo, dezembro 01, 2019

Hit the Lights: as músicas e a história de como nasceu o Thrash Metal!

Em sua 14° edição pela Rádio Rock Online, a 93° no total, o Programa Rock Dissidente apresentou uma RESENHA RADIOFÔNICA do livro "Hit The Lights" e rolou músicas citadas na obra. "HIT THE LIGHTS: O Nascimento Do Thrash" é um livro contando os primórdios do Thrash Metal com ênfase na Bay Area de São Francisco e NY. 

O canadense Martin Popoff, que consta no crurriculo a resenha de mais de 7 mil discos, entrevistou membros das bandas EXCITER, EXODUS, METALLICA, MEGADETH, TESTAMENT, DARK ANGEL, SLAYER, VENOM, ANVIL, ANTHRAX etc. Além de conversar com musicistas, o autor também colheu depoimentos de fanzineiros, produtores, lojistas, todos que enfim estiveram atentos aos eventos entre 1969 e 1983 que resultaram no nascimento do Thrash Metal. Isso sem contar as tretas com "os posers" e outros fatos pitorescos.

Curta nosso podcast que junta som com a história do som!!!




Rádio Rock Online ao vivo 24 horas por dia, sete dias por semana, rolando todas as vertentes do Rock'n'Roll, desde 2011 com sede em Taquaritinga, São Paulo.

Produtor Executivo: Gustavo Troiano.

Toda sexta-feira impar tem Rock Dissidente inédito.

Rock Dissidente # 92:

  • Abertura - ANVIL
  • Bloco 01 -  VANILLA FUDGE, MOTÖRHEAD, QUEEN.
  • Bloco 02 - LÄÄZ ROCKIT, EXCITER, VENOM, ANVIL CHORUS.
  • Bloco 03 - G.B.H., THE EXPLOITED, SUICIDAL TENDENCIES, DEAD BOYS
  • Fundos -  RAVEN, METAL CHURCH, DEAD KENNEDYS.
  • Encenrramento - ANTHRAX.

Gravado no estúdio "Casa da Rua do Beco", em Varginha, Minas Gerais, para todo universo conhecido, eternidade e além!

Produção, Roteiro, Seleção Musical e Locução: Willba Dissidente.

*
Confira nosso teaser!




*

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK!


*



ONDE COMPRAR O LIVRO.

"Hit the Lights: O Nascimento do Thrash" está esgotado na Editora Denfire! Quem quiser procurar se encontra uma cópia ainda disponível deve tentar os seguintes pontos de venda!

São Paulo capital:

London Calling (Galeria do Rock)
Mechanix (Galeria do Rock)
Ugra Press (Rua Augusta)
Sensorial (Rua Augusta)
Livraria do Espaço Itaú (Rua Augusta)
Livraria Martins Fontes (Avenida Paulista)
Locomotiva (Galeria Nova Barão)
Extreme Noise Discos (Galeria Nova Barão)
Sebo Clepsidra (Vila Buarque)

Outros pontos de venda:


Loja Heavy Metal Rock (Americana/SP)
Zeppelin Discos (Rio Grande do Sul/RS)

Preço Sugerido: R$ 49,90

https://editoradenfire.com/

*

Sites Relacionados:


domingo, novembro 17, 2019

Frankenstein: horror, morte e existencialismo no Heavy Metal!


Em 1818, com 19 anos de idade, a escritora e feminista Mary Shelly fez sua obra-prima, um romance gótico que iniciou a ficção científica moderna.

O sangrento conto de um médico que se dedica a criar um ser humano artificial trouxe mais que horror, morte, mutilação e vingança. Também questões existências permeiam a obra e desde então tem influenciado a produção cultural humana. Livros, filmes (principalmente) e a música pesada e profana do Metal têm sido feitos com base nas ideias que Shelly apresentou ao responder ao desafio feito pelos autores romanticos Lord Byron e John Polidori.

Se você não tiver medo de fantasmas, monstros e demônios, ouse curtir nosso especial # 92, o décimo terceiro pela @RadioRockOnline !



Rádio Rock Online ao vivo 24 horas por dia, sete dias por semana, rolando todas as vertentes do Rock'n'Roll, desde 2011 com sede em Taquaritinga, São Paulo.

Produtor Executivo: Gustavo Troiano.

Toda sexta-feira impar tem Rock Dissidente inédito.


Rock Dissidente # 92:

  • Abertura - ALICE COOPER
  • Bloco 01 -  NEW YORK DOLLS, LOS SUAVES, BLUE ÖYSTER CULT
  • Bloco 02 - HELLOWEEN, LORDI, THE MISFITS
  • Bloco 03 - STORMWITCH, WARFARE, DENIAL FIEND
  • Fundos -  THE EDGAR WINTER GROUP, ICED EARTH, EARLY MAN
  • Encenrramento - LA DIVINA COMÉDIA

Gravado no estúdio "Casa da Rua do Beco", em Varginha, Minas Gerais, para todo universo conhecido, eternidade e além!

Produção, Roteiro, Seleção Musical e Locução: Willba Dissidente.

*
Confira nosso teaser!




*

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK!



Sites Relacionados:


quarta-feira, novembro 06, 2019

Comando Etílico: um disco maldito que atrasou anos, mas valeu a espera.

RESENHA: Heavy Metal Réu - COMANDO ETÍLICO.
NOTA: 10,0.

Você está pronta ou pronto para ser infectada ou infectado pelo Metal? Pois essa é a proposta do COMANDO ETÍLICO em "Heavy Metal Réu" (lesse Heavy Metal Hell), seu segundo trabalho completo. Esse disco marca 09 de ausência em relação ao debut auto-intitulado e já estava composto e gravado há 04 anos; porém por um erro de estúdio teve de ser inteiramente refeito! Ainda que tal "sorte no azar" seja rara, já acometeu, pelo menos, a dois pioneiros dos anos 1980 no Metal do Brasil: PLATINA e TROPA DE SHOCK. Siga nossa resenha e confira que tal qual um conhaque que ficou armazenado em barris de carvalho, a nova dose na adega etílica do COMANDO vem descendo queimando a garganta e botando VOCÊ para bater cabeça. Mesmo após 666 anos de espera, o Hell não decepciona!!!!




O COMANDO ETÍLICO é uma banda de Metal cantando em português que se proclama "resistência contemporânea à moda antiga"; ou seja, mantém vivo na atualidade o som e o visual dos anos 1980 no nosso estilo de som blasfemo, pesado e maldito. Por isso entendemos uma forma criativa de tocar Metal como nos anos 1980, com todos seus clichês, mas com o poder da produção moderna, sem se render a modismos.  Caso essa descrição não o agrade nem precisa terminar de ler a resenha, mas caso você fique curioso ao ver o vídeo, sacar o texto e as músicas, seja bem-vindo a um som que mescla Heavy com Thrash, principalmente, além de pitadas de Power e até Doom com letras falando do capeta, do Mal, de beber e de histórias épicas.




Com 43 minutos de duração, o Cd é produzido por Nilson Eloy (também o modelo de capa) do grupo de Rock Progressivo nordestino HARDWIND, que dividiu os trabalhos técnicos com Fernando Rebouças. Se o time laboral segue quase o mesmo dos trampos anteriores, o disco começa com uma faixa de introdução - algo novo para a banda. "A Queda do Martelo" não é instrumental, ainda que não tenha letra. Parece a "Anthares" do ANTHARES ou a "Transgressão" do VINGANÇA SUPREMA, no sentido de ser mais leve e prenunciar a porradaria. "Jonny Letal", que já havia sido liberada como single há anos, é aquela canção que nos deixa em dúvida se o COMANDO é um Heavy muito rápido e agressivo ou um Thrash por demais rebuscado. "Sacrificar" e "Vomitar" (em que a banda faz concursos de Vômitos no shows) corroboram com essa dúvida; o baixo galopante de David Praxedes é perfeito para os mosh pitts e stage divings. "Estação Antiga", que é do primeiro EP, mas foi regravada e virou clipe, também tem essa levada Thrash, ainda que com o refrão contrastando no dedilhado de guitarra com o bumbo duplo. Inclusive, a bateria de Kleber Barbosa é um dos destaques do disco, pois seja em andamentos rápidos ou cadenciados, o batera consegue encher o som com suas levadas inventivas. Logo no comecinho da audição do álbum se destaca também Hervall Padilha. Ele não só canta muito bem dominando os graves e agudos (sem ser apelativo), mas escreve letras preocupação estética e literária, o que é bem incomum no Heavy e no Thrash brasucas.



Estamos falando muito em Thrash, mas o COMANDO ETÍLICO não é exatamente uma banda de Thrash. Tanto que a faixa título (que tem o solo de guitarra mais notório do sempre inspirado Lucas Praxedes), "Maldição" (com sua introdução de bateria) e "A Gangue das Correntes" (cujo solo de guitarra é mais à la Ace Frehley do KISS) são bem JUDAS PRIEST ou ACCEPT entre 1982-84. Mas ainda assim, são temas que rolam de ficar no pogo durantes os shows. Importante frisar, para você que está reparando nos títulos dos temas, que esses números tem letras tratando do Mal e blasfêmias, que certamente vão incomodar ouvintes mais caretas e apegados à moral judaico-cristã.

Um dos destaques do play é certamente "Infectado pelo Metal", com seus riffs e andamentos mais voltados ao Speed Metal e a linha de vocal mais bacana do atual trabalho. Rolam até uns "Ah, Ah Ah" no solo que ficará muito legal ao vivo, ainda mais pelo trampo massa de bumbo duplo.

"Atlântida" é o que poderíamos chamar de Heavy Metal Progressivo,  SEM aquela coisa de progressivo com tempos quebrados à la DREAM THEATER. É uma novidade na carreira do COMANDO, pois tem uma andamento Speed / Power Metal que vira um Thrash no estilo MURO, da Espanha, que vai cair numa sequencia Doom Metal que agradará até os fãs de CANDLEMASS! Após o solo de guitarra, "Atlântida" entra num interlúdio de notas agudas no baixo, até mais cadenciado e lento que na introdução do play, parecendo até que vai parar a canção voltando à selvageria do riff inicial. É a canção mais comprida do disco e da carreira do grupo e vale cada segundo.

O terceiro destaque também tem a ver com Doom Metal, o tema "O Pacto". Essa música tem o refrão mais legal e criativo do disco, repetindo normal na primeira audição e na segunda com os background vocals. É outra candidata à campeã dos vindouros concertos.




"Meia-Noite, seis-seis-seis, ao réu condenação"! "Heavy Metal Réu" mostra que ainda que combalido e fatigado, o fígado do COMANDO ETÍLICO segue vivo, saudável e ainda aguentando muita cachaça. Com temas e produção mais sombria em relação aos trabalhos anteriores (já que aqui NÃO se encontram letras sobre festas). O tempo que Réu ficou engavetado não o tornou enlatado, burocrático ou fez soar como datado e requentando. Temos, pois, uma banda desenvolvendo sua identidade própria dentro de seus próprios ditames. Para quem curte Metal em português, em especial o tradicional, mas não tem preconceito com outros gêneros do som pesado e não ficará ofendido com as letras não-cristãs, "Heavy Metal Réu" soa tão bem e prazeroso como aquela cervejinha no começo de noite de um daqueles dias quentes como o inferno!

"Meia-noite, seis-seis-seis", ao réu absolvição, pois é um dos candidatos e melhor disco nacional desse ano. E você? Consegue dizer seu veredito desse "Heavy Metal Réu"?




"Heavy Metal Réu" vem em disco prensado prateado e caixinha de acrílico. O encarte possui 16 páginas com arte gráfica feita pelo próprio Hervall Padilha, com sua própria visão do que seria o inferno que está acorrentado o padre. O disco físico pode ser adquirido diretamente com a banda por meio de suas redes sociais, links ao final da resenha, e ouvido digitalmente (não que o Rock Dissidente recomende isso) nos links pelo texto.

Indicado para os fãs de: COMANDO NUCLEAR, FLAGELADOR, BATTALION, HARPAGO, DORSAL ATLÂNTICA etc.

COMANDO ETÍLICO:

Hervall Padilha (Pança) – Voz
Lucas Praxedes  (Boy)– Guitarra
David Praxedes  (Dallas)– Baixo
Kleber Barbosa (Binho) – Bateria

Discografia:

Metal e Prazer (EP, CD, 2007)
Comando Etílico (Full-lenght, CD, 2010)
Legado (Single, CD, Digital, 2011)
Amazônia Inferno Metal (participação em tributo, CD, 2013)
Jonny Letal (Single, Digital, 2015)
Heavy Metal Réu (Full-lenght, CD, 2019)

Heavy Metal Réu - 2019 - Nacional - Independente - 43:03.

01 . A Queda do Martelo (01:59)
02 . Jonny Letal (04:13)
03 . A Gangue das Correntes (03:39)
04 . Maldição (03:42)
05 . Infectado pelo Metal (04:11)
06 . Estação Antiga (02:58)
07 . Atlântida (06:16)
08 . Heavy Metal Réu (04:49)
09 . O Pacto (03:55)
10. Sacrificar (04:15)
11. Vomitar (02:59)





Sites relacionados:


https://www.facebook.com/bandacomandoetilico/
https://www.instagram.com/comandoetilico/
https://www.youtube.com/channel/UCDnZDODmhDQH9J04NWA9lHw/videos

*