terça-feira, junho 12, 2018

BOLSONARO: ele só será Metal quando Pentagrama virar Estrela de Davi.

Por um underground político, contrário ao conservadorismo e apartidário.

É bem possível que você já tenha ouvido uma frase dizendo que metal é liberdade. Muitos bangers usam essa frase para justificar que se Metal é liberdade, eles tem liberdade para apoiar um político como Jair Messias Bolsonaro. Isso é tão incorreto quanto confundir Estrela de Davi com Pentagrama.

Liberdade é você ser quem você é sem ser oprimido ou oprimir a outrem. Ser preconceituoso contra negros, mulheres, gays e outras minorais não é exercer sua liberdade, é praticar crime. Bolsonaro é um político que defende valores conservadores à nível social e neoliberalismo a nível econômico. Isso significa alta intervenção do Estado nas questões sociais proibindo casamento das pessoas de mesmo sexo, impondo uma religião oficial e que o mercado decida as questões econômicas como salários, horas trabalhadas, se os trabalhadores devem ter férias e décimo-terceiro salário etc. Não é preciso ser gênio para saber que para você quer ter dinheiro para comprar zines, revistas, discos, instrumentos, ir a shows e tudo que faz parte de ser headbanger você depende de dinheiro que vem de uma atividade remunerada e, logo, se você tiver menos acesso a renda, terá menos acesso para o universo banger. Ai já derrubamos o mentira que metal e política não se misturam e que políticos são todos iguais. Pois, Bolsonaro, descaradamente, é tão a favor do mercado (leia dos diretores de bancos e grandes empresas) em detrimentos dos trabalhadores, que para ele mulher deve ganhar menos que o homem pelo fato de engravidar! Quanto mais liberal uma economia for, mais escravo será seu povo.


Imagem do VIOLATOR baseada no protesto do MUNICIPAL WASTE contra Donald Trump.

Além da questão financeira, o que faz os headbangers abominarem Bolsonaro é o retrocesso que ele representa a nível social. O metal surge dos operários ingleses que eram mal vistos pelos patrões, pela igreja e pela sociedade patriarcal por serem cabeludos, tatuados e usarem roupas diferentes e ousadas. Bolsonaro representa justamente esse pensamento retrógrado, ultrapassado, conservador, que homem não deve ter barba e / ou cabelos grandes, que deve acreditar em deus católico, não frequentar shows ou profanar o corpo de cristo se tatuando ou furando piercings, casar cedo e constituir uma família com uma mulher. Mulher essa que deve casar virgem, só usar roupas que escondam o corpo, sua renda ser complementar a do marido e sua função será criar os filhos na religião cristã. Isso significa que a mulher não pode ser independente, usar roupas provocantes de couro, pintar o cabelo de cores diferentes, as unhas de vermelho, usar maquiagem provocante e tatuagens sexys.

O discurso dos headbangers não é eleger um candidato que "represente o metal", mas barrar esses discursos conservadores e antagônicos ao som underground. Um dos principais discursos que tornam Bolsonaro mais distante do Metal quanto um pentagrama não é estrela de Davi é esse político carioca apoiar ditadura militar. Na época dessa regime execrável no Brasil era proibido ficar após certa hora na rua, era proibido andar em galera. Os shows internacionais, os poucos que existiram (pois quase ninguém tinha grana para ir por causa das politicas neoliberais dos milicos), tinham de passar por censura federal prévia. Discos como o "Headthrashers" tiveram a execução radiofônica proibida e muitos outros como o primeiro do STRESS tiveram suas letras alteradas para poder ser lançado. Esse cenário combina com o Metal?


Desenho de Yuri Opressor divulgado pela banda carioca VINGADOR.

O Metal é um movimento artístico que teve influência de nomes do Hard Rock como BLACK SABBATH, WARPIG, BLUE ÖYSTER CULT e outros da virada dos anos sessenta para setenta que usavam de temas místicos, pagãos e de feitiçaria como fonte de inspiração. Tal temática não combina com o pensamento de quem acha que o Estado deva ter uma religião oficial de origem judaico cristã. O instrumental, timbre e indumentária do Metal também vem do começo dos anos 1970, mas especificativamente do Glam Rock inglês, em que muitos músicos eram LGBT; movimento esse que Bolsonaro antagoniza. Você sabia que as o visual de couro e rebite foi inventado nos clubes gays ingleses? Do fim dos anos 1970 e do Punk Rock vieram o Hard Core, o Grind Core e o Thrash Metal, que é carregado de ideais punks contra o sistema teocrático e patriarcal representando pelo deputado carioca. O metal extremo ao renegar religião católica também entra em conflito com os ideais de Bolsonaro que são todos justificados pela fé cristã. Se engana quem pensa que Metal é rebeldia sem causa ou foco: o rock pesado é contra os valores do statos quo que não aceitam ousadia ou rebeldia contra os valores supostamente ptérios estabelecidos. 

"Meu sonho é o Bolsonaro numa entrevista dizer o que ele acha de homens cabeludos e tatuados vestindo couro".
Willba Dissidente, do Rock Dissidente.


Logo, o que sobra de Bolsonaro que combine com o Metal? O metal não é o som dos opressores, mas sim dos oprimidos, e sofreria tanto quanto eles num governo opressor ainda que você não seja mulher, negro ou LGBT. Nós dos metal undeground somos poucos. Não aparecemos nas estatísticas oficiais do governo, mas seremos afetados, como já fomos, pelas questões sociais de nossa época, pois como todo movimento artístico, o Metal não pode fugir da realidade concreta que o rodeia.



Udo dirkschneider do ACCEPT durante a época do disco "Restless and Wild".

Há quem acredite que por ser militar, Bolsonaro teria a ver com o Metal, já que ANTHRAX, WHITESNAKE, SODOM etc difundiram o visual camuflado no Rock pesado. Ledo engano, meus leitores. Essas bandas, e outras citadas, começaram a fazer uso de coturnos, cintos de bala e outros acessórios normalmente associados ao militarismo não por apoiar ditadura militar ou uma crescente militarização da sociedade; justamente o contrário! Existem muitas músicas com alusão a tropas, soldados e exército, à guisa de exemplo "Heavy Metal Soldiers" do IRON ANGEL, formando um destacamento de headbangers, guerreiros do metal, mas sejamos lúcidos: nunca a disciplina militar aceitaria a subversão maliciosa do Metal. Para completar, o metal herda esse visual do Punk Rock, então o que essas bandas e fãs queriam ao usar cinto de bala e roupas camufladas não era exaltar a guerra, mas criticar a militarização da sociedade.

Uma outra concepção insustentável acerca do Mi(n)to é que muitos bangers se associam a ele pelo Metal ter uma noção, de força, de ser radical, as canções expressarem ódio... e quem destila mais ódio que Bolsonaro? Porém, lembrem que todo esse ódio de Bolsonaro acaba, indiretamente, pois acreditamos que ele nem saiba o que é underground, indo contra os headbangers. O metal é subversão contra os valores judaico cristãos que sustentam a opressão das empresas e do Estado sobre o individuo. Negar isso é afirmar que os patrões achavam lindo operários cabeludos ouvindo música  "barulhenta" sobre o capeta. Bolsonaro representa justamente a supremacia econômica das patrões apoiado no conservadorismo judaico-cristão contra a sociedade. Por esse retrocesso terrível que todo headbanger que não caiu de para-quedas no Metal o rejeita.

O Metal é político, não precisa ser partidário, mas deve rejeitar todo partido ou representante desses que pregue o conservadorismo. O Metal não é necessariamente de esquerda, mas nunca pode ser conservador, afinal, que conservador aceitaria as cruzes invertidas, mitologia pagã e essência libertária? Acreditar no contrário é o mesmo que confundir Estrela de Davi com Pentagrama.

*

9 comentários:

  1. Texto incrível! Estudo numa escola com vários guris metidos a "anarquistas" "headbangers" "contra cultura" mais apoiam Bolsonaro.

    E os tempos são outros. Muita desinformação por ai, gostaria muito de um dia esfregar esse texto na cara de um deles

    ResponderExcluir
  2. Vocês sabem me dizer como faço para obter camisas com a estampa do Violator e da banda Vingador que foram apresentadas na matéria?

    ResponderExcluir
  3. Esquerdistas de merda....desde a minha adolescência escuto rock pesado....pesado mesmo e sou Bolsonaro incondicionalmente.. não vejo só pq gosto de um estilo de musica tenho q ser anarquista ou não aceitar as coisas certas como devem ser...esse ar de revoltadinho eh só marketing para chamar atenção manjo bem isso...tenho 39 anos e graças a deus não passei por isso de querer chamar atenção só por gostar de som pesado..em vez de pensarem politicamente pensem no pais q vivem....meu estilo Ingested....Hollow Prophet...Human Error...Vulvodynia...e por ai vai se não conhecem pesquisem....eu simplesmente gosto do estilo...do som e do vocal...nem fudendo acredito ou sigo o q falam nas letras.....pensem nisso #bolsonaro2018..porra!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso ae msm,curto bandas tipo vulvodynia, acrania, ingested,rings of saturn entre outras mas n fico pagando de revoltadinho eu curto pq gosto da sonoridade, mas acima de tudo eu penso no bem do meu país e n fico me preocupando com coisas inúteis penso no progresso do meu país #Bolsomito2018!!!!

      Excluir
    2. Chama o bozo para ir comer sua esposa, seu masoquista arrombado!

      Excluir
  4. Enfiem no cu essas bandinhas de merda, puxa-sacos de Bozo.

    ResponderExcluir
  5. Texto muito elucidativo. Parabéns pelo excelente trabalho!!
    Queria ver mais trabalho desse nível, quando nos anos 80 tínhamos que fazer datilografando e tirando xerox para divulgar!
    Voto em Bolsonaro #NemFodendo!!!

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde, curto metal quando oriundo de um trabalho musical de qualidade, que inclusive encontramos em muitas bandas nacionais. Acredito que os metaleiros e aqueles que de fato fazem um grande trabalho musical não serão influenciados pelo analfabetismo político. Ninguém de bom senso vai cair em tantas bobagens ditas para denegrir um político como Jair Bolsonaro que representa os anseios do povo brasileiro. Melhor que trabalhassem mais a música para conquistar o espaço que o Heavy Metal merece em vez de subestimar a inteligência da grande a maioria dos metaleiros.Com certeza vocês não representam a maioria deles.

    ResponderExcluir
  7. Muito boa tarde meu amigos. Vivemos numa democracia, aonde tem a pluralidade de ideias e pensamentos, dizem eles. Escuto metal de todos os tipos desde os meus 14 anos de idade, tenho 30. Nunca misturei visão política com música independente do estilo que for. Muito mimimi isso aí, mas é a opinião de cada um. Respeite para ser respeitado. Sua opinião não é soberana e nem acima da opinião de ninguém. O choro é livre e Bolsonaro já é presidente!

    ResponderExcluir